MENU 

Vida Plena apresenta resultados de mapeamento para conhecer melhor a comunidade


Os resultados do mapeamento do bairro Dom Bosco feito pela metodologia “Vida Plena” da ABAN, assim como as atividades dos projetos vinculados a ela, foram apresentados à comunidade no dia 24 de maio. O encontro contou ainda com dinâmica de bingo, feedback das mulheres chefes de família do bairro e jantar de confraternização.

 

Apresentação dos projeto vinculados

Uma das ações do Vida Plena é fazer a articulação da rede interna da ABAN, que conta com dez projetos de diversas áreas vinculados ao método . Dentre eles, os projetos “Luz”, que acompanha gestantes e bebês recém-nascidos, e  o “Segredo das amigas”, que faz a prevenção à gravidez precoce e promoção da saúde entre meninas adolescentes. O “Consultório Amigos”, responsável por fazer acompanhamento veterinário a cães e gatos das famílias assistidas, e o projeto “Santo Ivo”, que oferece assistência jurídica às famílias, também foram uns dos projetos que tiveram suas atividades apresentadas.

 

Mapeamento

A coleta de dados por meio do mapeamento da região de atuação da ABAN foi organizada para que os projetos possam ser pensados de acordo com as reais e atuais demandas da comunidade. A gerente de filial do bairro Dom Bosco e voluntária do projeto Empregabilidade, Jaqueline Aparecida Nascimento Santos, ajudou no mapeamento da comunidade, colhendo dados das residências a partir do início do mês de abril. A apresentação ficou por conta da gestora do Vida Plena, Maira Leon.

 

De acordo com a metodologia, uma característica que marca a comunidade é o protagonismo feminino em relação à liderança e aos cuidados do lar. Dentro dessa realidade, 93% das pessoas entrevistadas foram mulheres. O questionário obteve uma média de 76 respostas a questões relacionadas a âmbitos como situação social, planejamento familiar, trabalho formal, opinião em relação ao próprio bairro e desejos. Dos entrevistados, 73,7% se declaram negros.

 

A maioria é trabalhadora e não participa de programas do governo ou recebe benefício social. Além disso, para a maior parte das pessoas entrevistadas, carteira assinada não prevalece na realidade de trabalho, o que dificulta a aposentadoria e o acesso a planos de saúde. Nesse pano de fundo, apenas 23,7% escolheram o trabalho de acordo com seus desejos ou inclinações; os outros 76,3% trabalham pela necessidade e não por vocação.

 

Pontos positivos, como o acesso a transporte público, e negativos, como a presença de drogas, foram apontados. Em relação a projetos que a comunidade sente falta, os mais pedidos foram os relacionados a esporte e a atividades culturais.

 

Sobre planejamento familiar, mais da metade não planejou o 1º filho. Para a gestora do Vida Plena, Maira Leon, “esse fator impacta diretamente na escolaridade e na carreira das pessoas, já que por meio do planejamento familiar é possível melhorar a situação de vida”.

 

Entenda o Vida Plena

O Vida Plena é um método integralista de desenvolvimento humano e está sendo retomado e renovado em 2018. A metodologia abrange os projetos da ABAN e articula a rede existente nos bairros. Estão sendo feitos o recadastramento de famílias antigas, o cadastro de novas e a inclusão de conhecimentos da Psicologia Social, a serem desenvolvidos nas reuniões de grupo. O objetivo da ação é conhecer a atual realidade e demandas da comunidade, para que os movimentos dos projetos fiquem alinhados ao desejo e necessidade dos participantes.

 

O método funciona como uma ponte entre as ações da ABAN. A proposta é assistir diretamente às famílias, com visitas domiciliares e reuniões de grupo. O empoderamento e o desenvolvimento humano dos familiares cadastrados são prioridades. Essa rede procura romper com a lógica assistencialista e investe em um desenvolvimento integral das famílias, para mostrar a elas que existe possibilidade de desenvolver a autonomia frente aos desafios na comunidade.